Bitcoin SV: blocos grandes para um sistema de pagamentos global

Big-Blocks-for-a-Big-Global-Payment-System_portugal

Por Jimmy Nguyen

Presidente Fundador, Bitcoin Association

Passaram-se mais de 10 anos desde que a bitcoin foi apresentada ao mundo, com o livro branco de Satoshi Nakamoto a descrever um “sistema de dinheiro eletrónico não hierárquico”. Contudo, uma década depois desde esse momento, a bitcoin ainda não se tornou um sistema de dinheiro eletrónico com transações rápidas, taxas baixas e um número reduzido de intermediários. O que as pessoas pensam ser a bitcoin – a rede Bitcoin Core (BTC) – teve a sua capacidade de dimensionamento limitada por um tamanho de bloco minúsculo, o que levou a congestionamentos e disparou as taxas de transação astronómicas. Os comerciantes e consumidores não vão utilizar um sistema de pagamento que é lento e dispendioso. Felizmente, a Bitcoin SV (BSV) surgiu em novembro de 2018 para corrigir isso. A BSV vai garantir que a “Visão Satoshi” da bitcoin tem êxito através de um dimensionamento maciço com blocos grandes para suportar um sistema de pagamentos global grande.

A Bitcoin Core (BTC) não concretizou a visão original da bitcoin

O conceito transformador da bitcoin era permitir às pessoas enviar instantaneamente dinheiro diretamente para qualquer pessoa a nível global, sem bancos intermediários nem fornecedores de serviços. As transações são registadas num livro-razão distribuído conhecido como a cadeia de blocos (blockchain), com blocos de transações adicionados em média a cada 10 minutos.

Na verdade, a cadeia de blocos da bitcoin começou por não ter nenhum limite no tamanho dos blocos. Em abril de 2009, Satoshi Nakamoto (o meu colega, Cientista-Chefe da nChain, Dr. Craig Wright) escreveu o seguinte:

“A rede de cartões de crédito Visa existente processa aproximadamente 15 milhões de compras na Internet por dia a nível mundial. A bitcoin já consegue atingir uma escala muito maior do que isso com o hardware existente por uma fração do custo. Nunca atinge realmente um limite máximo de escala.”

No entanto, no começo da existência da bitcoin, foi implementado um limite máximo dos blocos de 1 MB como medida temporária para proteger a rede de ataques nos seus primórdios. Mas, movido pelas suas próprias segundas intenções, o grupo de desenvolvimento da Bitcoin Core (que agora controla o protocolo da BTC) manteve o limite máximo de 1 MB dos blocos como permanente, em vez de temporário.

Os blocos de 1 MB são minúsculos, permitindo apenas uma média de 3 transações por segundo. Compare isso com a rede global da Visa, que realiza em média 2.000 transações por segundo, podendo chegar às 56.000 transações por segundo em períodos de ponta. Com blocos de 1 MB, a bitcoin nunca consegue rivalizar com redes de cartões de pagamento para a utilização diária.

É por isso que a BTC fica frequentemente congestionada, com transações por vezes a esperarem horas pela confirmação. Isto faz disparar as taxas de transação: em janeiro de 2018, custava 20-40$ para enviar uma única transação de BTC. (As taxas são pagas a “mineradores”, que dedicam potência de computação para manter a rede.) No final de maio de 2019, as taxas de transação da BTC rondavam os 4$ – ainda demasiado altas para funcionar como um sistema de pagamentos diários. Sem surpresa, os comerciantes deixaram de ver a BTC como uma opção de pagamento viável e os consumidores raramente utilizam a BTC para fazer compras.

Isto levou a anos de disputas. O grupo de desenvolvimento da Bitcoin Core recusava-se a subir o limite máximo do bloco; queria blocos pequenos e criar canais de pagamento “off-chain” separados (a Lightning Network), utilizando a cadeia de blocos unicamente como um livro-razão de liquidação. Em contraste, os puristas da bitcoin pedem o aumento do tamanho dos blocos para permitir uma maior capacidade de transação, um processamento mais rápido e manter as taxas muito baixas.

A BSV está a ser dimensionada com blocos grandes para criar um sistema de pagamentos global grande

Uma vez que a BTC foi desviada do plano original da bitcoin, a Bitcoin SV (BSV) surgiu em novembro de 2018 para garantir a concretização da “Visão Satoshi”. A BSV tenciona aumentar a escala de forma maciça para dar aos grandes comerciantes e empresas uma rede de pagamentos que seja dimensionável, com uma capacidade de transmissão capaz de suportar necessidades de volumes elevados. Enquanto a BTC mantém os seus minúsculos blocos de 1 MB, a BSV começou com um limite máximo dos blocos consideravelmente maior de 128 MB. Desta forma, as transações de BSV são processadas muito rapidamente e por taxas muito baixas. Enquanto as taxas da BTC rondam em média 4$ por transação (final de maio de 2019), as transações da BSV custam agora menos de um quinto de 1 centavo. E contamos que as taxas de transação da BSV desçam ainda mais, à medida que os tamanhos dos blocos aumentam e a tecnologia se aperfeiçoa.

Além disso, a BSV já está a beneficiar de uma capacidade maior. A 24 de julho de 2019, a rede da BSV foi atualizada para um limite máximo predefinido dos blocos muito maior de 2 gigabytes (que são 2.000 megabytes). É isso mesmo: a BSV tem um limite máximo dos blocos predefinido 2.000 vezes maior do que a BTC. Após a atualização de julho de 2019, a BSV consegue lidar confortavelmente com mais de 1.000 transações por segundo e a sua capacidade continuará a ser aumentada. Em teoria, os blocos de 2 GB podem permitir 9.000-14.000 transações por segundo (embora isso dependa dos melhoramentos tecnológicos e dos tipos de transações, visto que a capacidade superior da BSV suporta muitas formas de transações de dados, não apenas pagamentos).

Mais, em fevereiro de 2020, a BSV planeia remover completamenteo limite máximo dos blocos e permitir que a sua capacidade cresça em função das necessidades do mercado. De facto, uma das principais equipas de desenvolvimento da BSV (nChain) está a trabalhar no sentido de blocos do tamanho de terabytes (1 milhão de megabytes!) para processar biliões de transações por bloco e 4 milhões de transações por segundo. Esse futuro significa que a BSV poderá ser o livro-razão de dados públicos do mundo, registando pagamentos e todos os tipos de outras transações de dados das empresas.

A BSV vai transformar a indústria de pagamentos

Para os comerciantes, a BSV oferece taxas de transação muito mais baixas do que os sistemas de cartões de pagamento atuais, que cobram 2-3% por transação (mais custos de base ou mensais). No caso de transações não hierárquicas verdadeiras (em que um cliente paga diretamente para a carteira de bitcoins de um comerciante), a taxa de transação paga pelo cliente poderá ser uma fração de um centavo. Contudo, a maioria dos comerciantes provavelmente utilizarão um processador de pagamentos de criptomoeda, como o Coinify ou White Pay da The White Company. Essas opções cobram as suas próprias taxas de transação para permitir aos comerciantes aceitar a BSV (e pagar imediatamente em moeda fiduciária se um comerciante escolher). À medida que a utilização da BSV aumentar, contamos que essas taxas de processamento diminuam de forma drástica.

A maior eficiência será nos pagamentos transfronteiriços. Visto que a BSV é um sistema global, os custos do mercado cambial serão minimizados. Para as redes de pagamentos e comerciantes a operar em vários países, a BSV permite transferências rápidas internacionais.

A velocidade é outra vantagem. Com confirmações constantes, os comerciantes podem receber rapidamente a BSV dos clientes, sem terem de esperar dias para que os pagamentos com cartão de crédito sejam autorizados para as suas contas. Assim que uma transação é confirmada na cadeia de blocos, é imutável, reduzindo o risco de fraude e cobranças retroativas. As equipas da BSV estão igualmente a trabalhar em soluções de transações instantâneas seguras, para que os comerciantes se sintam confiantes a aceitar pagamentos mesmo antes de estes serem confirmados na cadeia de blocos.

Finalmente, o ecossistema da BSV concentra-se na facilidade de utilização. Durante demasiado tempo, a bitcoin viveu entre criptoamadores agarrados a práticas complicadas. Na BTC, a Lightning Network requer que os utilizadores executem o seu próprio nó (node); no entanto, os consumidores do dia a dia não querem executar um nó só para pagar aos comerciantes. Na BSV, excelentes carteiras móveis como a HandCash e Centbee facilitam o envio de bitcoins, bastando para tal conhecer o identificador de utilizador de uma pessoa ou ter um amigo nos contactos do telemóvel. A BSV dispõe igualmente do revolucionário protocolo Paymail, que permite enviar BSV para um endereço eletrónico, em vez dos endereços volumosos das carteiras de bitcoins com mais de 26 caracteres. Os pagamentos têm de ser simples e a BSV entende isto.

Passados 10 anos desde o nascimento da bitcoin, chegou o momento de concretizar plenamente a visão de um novo sistema de dinheiro eletrónico. Isso exige blocos grandes para criar uma rede de pagamentos global grande. Esta “Visão Satoshi” acontecerá apenas na Bitcoin SV.

Jimmy Nguyen é o Presidente Fundador da Bitcoin Association, a organização global da indústria que apoia a Bitcoin SV (BSV). Jimmy foi anteriormente Diretor Executivo do Grupo nChain, o líder mundial em consultoria, investigação e desenvolvimento de tecnologias de cadeia de blocos, sendo atualmente Presidente do respetivo Conselho Consultivo Estratégico. O Cientista-Chefe da nChain é o Dr. Craig S. Wright, o criador da bitcoin. Anteriormente, Jimmy exerceu as funções de advogado de propriedade intelectual e tecnologia digital nos EUA durante 21 anos, onde foi parceiro em três firmas de advogados de renome. Em 2008, a Lawdragon apontou Jimmy (com apenas 36 anos) como um dos “500 Principais Advogados da América”.